sexta-feira, 26 de maio de 2017

Por nenhum direito à menos Sismus se une a marcha em Brasília

O dia 24 de maio, de 2017 entra para a história como uma data que os trabalhadores se uniram para protestar contra o governo ilegítimo de Michel Temer e suas contrarreformas. O Sismus cumpriu seu papel e esteve lá lutando por nenhum direito à menos. A CUT, considera que esta foi a maior marcha da história.



Nota da CUT: Maior Marcha da história
200 mil em Brasília por Nenhum direito a menos! Fora Temer! Diretas já!

O eixo monumental de Brasília foi tomado por 200 mil manifestantes que protestaram de forma pacífica contra as reformas trabalhista e da Previdência exigindo a retirada imediata das propostas do Congresso, recusaram o "golpe dentro do golpe" com eleição indireta de presidente, defenderam que a palavra tem que ser dada ao povo soberano em eleições diretas já!
A participação da CUT, em unidade com todas as centrais, foi importante para o sucesso do Ocupa Brasília.
Mas, quando o início da Marcha chegou próximo ao Congresso Nacional, o Estado mostrou sua falta de preparo para receber uma manifestação democrática e a polícia, mais uma vez, agiu de forma repressora como sempre faz em atos de trabalhadores e trabalhadoras, que hoje, em Brasília, exerciam seu legítimo direito de manifestação. Milhares de mulheres, e homens, jovens e crianças foram recebidos com balas de borracha e gás lacrimogêneo.
Temer se aproveitou disso para invocar as Forças Armadas para a defesa da "ordem", lembrando os piores momentos da ditadura militar.
A CUT e as demais centrais não vão esmorecer na luta em defesa dos direitos e da democracia, devendo reunir-se para discutir a continuidade da luta e, continuando a tramitar as reformas, adotar o chamado a uma nova greve geral maior do que paralisou o Brasil em 28 de abril.
A luta continua!
Nenhum direito a menos!
Fora Temer!
Diretas já!

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Sismus cobra pagamento de horas extras aos servidores da saúde que fazem 12hX36h

O Sismus encaminhou hoje (22/05) ofício a Secretaria de Saúde onde solicita que sejam pagas as horas extras para os servidores que trabalham em regime de 12h de trabalho por 36h de descanso (12X36). O sindicato se apoia na decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que já se posicionou a favor do pagamento das horas extras conforme decisão anexada junto ao ofício. Acreditamos que o bom senso vai prevalecer e que o direito dos servidores será respeitado.








quarta-feira, 17 de maio de 2017

Assembleia para eleição de delegados da 15ª Plenária Estadual da CUT/PR

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Sarandi (Sismus), em conformidade com o Estatuto Social da Entidade convoca todos os seus FILIADOS a participarem da Assembleia Ordinária que será realizada na próxima segunda-feira, 22 de maio de 2017, na sede do sindicato.

A primeira convocação está marcada para às 17h45. Em caso de insuficiência de quórum, de acordo com as regras estatutárias, a assembleia será instalada às 18h00 com qualquer número de servidores.

Na pauta da assembleia está prevista a eleição dos delegados que participarão da 15ª Plenária Estadual da Central Única dos Trabalhadores do Paraná (CUT-PR). O evento é uma prévia da 15º Congresso Extraordinário e Exclusivo Nacional da CUT, que está marcado para os dias 29, 30 e 31 de agosto, em São Paulo.

A sede do Sismus está localizada na Praça Ipiranga, 185, Centro de Sarandi


terça-feira, 16 de maio de 2017

A luta não acabou

A CUT (Central Única dos Trabalhadores) enviou na sexta-feira (12) uma circular para todas as suas seções estaduais convocando para as mobilizações em defesa dos direitos e contra as reformas Trabalhista e da Previdência arquitetadas por Michel Temer (PMDB) e os aliados golpistas.

Com o adiamento da votação da Reforma da Previdência, todas as centrais sindicais e movimentos sociais intensificam ações de pressão ao Congresso Nacional na semana de 15 a 19 de maio, com mobilização em Brasília prevista para amanhã 17 de maio (quarta-feira). Para o dia 24 de maio está confirmada a Marcha e Ocupação de Brasília.

Uma pressão que já começa a dar resultados. Informações sobre o clima entre os parlamentares no Congresso revela que deputados e senadores estão muito incomodados com a mobilizações da classe trabalhadora junto às bases eleitorais dos parlamentares, o que fortalece a esperança para continuar e obter as mudanças de votos que precisamos para reverter o roubo de direitos.

Por este motivo é preciso ampliar o movimento em todos os estados impedindo os parlamentares de respirar sem que um de nós esteja em seus calcanhares. No dia 17 haverá um mutirão de visita aos gabinetes dos senadores e a intensificação e pressionamento que tem sido feito pelos representantes da classe trabalhadora.

Depois disso, o passo seguinte será ocupar a Capital Federal contra o roubo dos direitos trabalhistas com caravanas de todo o país, aponta o secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre.“A Greve Geral do último dia 28 mostrou que a informação está chegando à população que está participando de todas as atividades convocadas. E assim como fizemos a maior Greve Geral da história, também faremos a maior manifestação que Brasília já viu”, apontou o secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre.

Confira abaixo nota das centrais sobre a agenda de mobilizações:

"NOTA DAS CENTRAIS SINDICAIS

CONTINUAR E AMPLIAR A MOBILIZAÇÃO CONTRA A RETIRADA DE DIREITOS!

As Centrais Sindicais, reunidas na tarde do dia 4 de maio, avaliaram a Greve Geral do dia 28 de abril como a maior mobilização da classe trabalhadora brasileira. Os trabalhadores demonstraram sua disposição em combater o desmonte da Previdência social, dos Direitos trabalhistas e das Organizações sindicais de trabalhadores. 

A forte paralisação teve adesão nas fábricas, escolas, órgãos públicos, bancos, transportes urbanos, portos e outros setores da economia e teve o apoio de entidades da sociedade civil como a CNBB, a OAB, o Ministério Público do Trabalho, associações de magistrados e advogados trabalhistas, além do enorme apoio e simpatia da população, desde as grandes capitais até pequenas cidades do interior.

As Centrais Sindicais também reafirmaram sua disposição de luta em defesa dos direitos e definiram um calendário para continuidade e ampliação das mobilizações.

CALENDÁRIO DE LUTA

▪ Comitiva permanente de dirigentes sindicais no Congresso Nacional para pressionar os deputados e senadores e também atividades em suas bases eleitorais para que votem contra a retirada de direitos;

▪ Atividades na base sindicais e nas ruas para continuar e aprofundar o debate com os trabalhadores e a população, sobre os efeitos negativos para a toda sociedade e para o desenvolvimento econômico e social brasileiro.

Do dia 15 ao dia 19 de maio:

▪ Ocupa Brasília: conclamamos toda a sociedade brasileira, as diversas categorias de trabalhadores do campo e da cidade, os movimentos sociais e de cultura, a ocuparem Brasília para reiterar que a população brasileira é frontalmente contra a aprovação da Reforma da previdência, da Reforma Trabalhista e de toda e qualquer retirada de direitos;

▪ Marcha para Brasília: em conjunto com as organizações sindicais e sociais de todo o país, realizar uma grande manifestação em Brasília contra a retirada de direitos.

Se isso ainda não bastar, as Centrais Sindicais assumem o compromisso de organizar um movimento ainda mais forte do que foi o 28 de abril.

Por fim, as Centrais Sindicais aqui reunidas convocam todos os Sindicatos de trabalhadores do Brasil para mobilizarem suas categorias para esse calendário de lutas.

CGTB – Central Geral dos Trabalhadores do Brasil
CSB – Central dos Sindicatos Brasileiros
CSP Conlutas – Central Sindical e Popular
CTB – Central dos Trabalhadores e das Trabalhadoras do Brasil
CUT – Central Única dos Trabalhares
Força Sindical
Intersindical – Central da Classe Trabalhadora
NCST – Nova Central Sindical de Trabalhadores
UGT – União Geral dos Trabalhadores"

terça-feira, 9 de maio de 2017

Reunião pedagógica é adiada, motivo pode ser manobra em resposta a Greve Geral

O Sismus informa que no final da tarde de ontem (segunda-feira, 8 de maio) tomou conhecimento de que a Secretaria de Educação decidiu promover uma alteração no calendário escolar, adiando a reunião pedagógica que aconteceria amanhã (10/05) para o próximo dia 24/05. Esclarecemos porém que esta mudança não é uma reposição do dia de greve (28 de abril), pois a negociação com a administração ainda não aconteceu e repor será necessário somente se não houver desconto do dia parado.

Alertamos aos diretores e professores que o dia da reunião pedagógica (dia de trabalho sem alunos), agora adiado para o dia 24 de maio não pode e não deve ser usado como dia de reposição sem que haja comum acordo com a Administração.

O sindicato já oficiou o prefeito Walter Volpato (PSDB) pedindo a negociação e está pressionando para que a reunião aconteça impreterivelmente nos próximos dias, antes do fechamento da folha de pagamento que deve começar na semana que vem. Acreditamos no bom senso e esperamos que o diálogo prevaleça.

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Mais uma vitória do Sismus

O jurídico do Sismus, representado pelas advogadas Gisele Veneri e Okçana Rodrigues conquistou mais uma importante vitória em processo movido por uma servidora que teve negada vaga em creche para seu filho, sob a justificativa da administração de ausência de vagas no CMEI. A decisão do juiz se baseou na Constituição que garante às crianças menores de cinco anos o atendimento à escola e pré-escola. O sindicato reforça seu papel de lutar pelo servidor, e o
jurídico é um dos instrumentos pelos quais o servidor pode ter garantido seus direitos.

Sismus pede reunião para tratar de abono da Greve Geral do dia 28

O Sismus Informa que já solicitou reunião com o prefeito Walter Volpato (PSDB) juntamente com o secretário de administração José Aparecido Luiz e a coordenadora do RH, Sandra Regina Ribeiro por meio do ofício 054/2017. A expectativa do sindicato é de ser recebido na próxima semana.

Muitos servidores têm questionado o sindicato dizendo que os secretários estão registrando a falta na folha ponto. Esse procedimento não significa que o dia será descontado, a última palavra cabe ao prefeito. A decisão dele deixará claro se de fato, Volpato está ao lado dos trabalhadores ou de quem os ataca.

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Secretária de Saúde não responde sindicato

Há quase um mês o Sismus enviou o ofício nº 045/2017 à secretária de Saúde, Sandra Regina Jordão Jacovós, pedindo reunião para tratar das demandas dos servidores da pasta com sugestão para o dia 12 de abril. Outros dois ofícios da categoria também foram protocolados no mesmo dia, 07 de abril, o 043/2017 com as reivindicações das auxiliares de farmácias e o 044/2017 com as deliberações da assembleia com os servidores. Até o momento, nenhum dos três ofícios foi respondido e não houve sequer uma justificativa para tal.

O Sismus vai continuar cobrando e fazendo seu papel de luta, por um sindicato forte, combativo para os servidores de Sarandi.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Nota oficial do Sismus sobre abono da greve do dia 28 de abrill

O Sindicato dos Servidores Municipais de Sarandi (Sismus) comunica que na manhã desta quarta-feira, (26/04) o presidente do sindicato, Nilson da Luz do Nascimento esteve em reunião com o procurador jurídico do município João Cláudio Massago de Mello e com o chefe de gabinete Pedro Colli Neto, para tratar do abono da Greve Geral de sexta-feira (28). No encontro, foi discutido o parecer jurídico emitido pela Dra. Marli Gonzáles de Souza, contrário ao acordo feito com o prefeito Walter Volpato, na última quinta-feira (20).

De acordo com o documento, não há previsão legal que garanta o abono do dia em que os servidores estiverem em greve e portanto o prefeito não pode se comprometer de antemão a abonar a falta. Apesar disso, de acordo, com os representantes da administração, o prefeito Walter Volpato assume ter assinado acordo com o sindicato e se dispõe a continuar a negociar uma possível reposição e abono da falta dos grevistas.

O Sismus esclarece que cumpriu com o seu dever de defender o servidor e o direito legal e democrático à greve, sem descontos no salário. Reforçamos, que continuaremos a exigir do prefeito que cumpra com sua palavra e o acordo assinado. Mesmo após a paralisação, continuaremos a negociar para que não haja nenhum prejuízo ao servidor municipal de Sarandi. Reafirmamos a convocação da greve pela retirada da contra reforma da previdência, da reforma trabalhista e contra as terceirizações.


Neste dia 28 todos em greve por nenhum direito a menos!

Nilson da Luz do Nascimento
Presidente do Sismus

terça-feira, 25 de abril de 2017

Servidores aprovam Greve Geral; Volpato se compromete em não descontar dia parado

Grande número de servidores municipais se reuniram nesta segunda-feira (24/04) para deliberar sobre a participação do Sismus na Greve Geral convocada para esta sexta-feira, 28 de abril. Os trabalhadores presentes aprovaram a adesão à greve a partir das 8h, com concentração na Praça Ipiranga, Centro de Sarandi.

Entre as pautas da Greve Geral, está à retirada da reforma da Previdência, revogação do PL 4302 que libera as terceirizações para todas as atividades das empesas, e a retirada da reforma trabalhista. Estas contrarreformas acabam com direitos dos trabalhadores e não podemos aceitar calados sem nos posicionar sobre estes ataques.

O Sismus informa que haverá registro de participação na Greve Geral, com lista de presença e lanche servido pelo sindicato. Orientamos, portanto, que TODOS OS SERVIDORES QUE ADERIREM À GREVE DEVEM SE JUNTAR AO MOVIMENTO, sob o risco de terem o dia descontado.

CLIQUE PARA AMPLIAR
Em reunião entre o prefeito Walter Volpato, na última quinta-feira (20/04), representantes da
administração e o presidente do Sismus Nilson do Nascimento e a advogada do sindicato, o chefe do Executivo, se comprometeu formalmente em não descontar o dia parado dos servidores. A determinação foi registrada em Ata assinada pelo prefeito (veja ao lado).

#Vempraluta!
#Foratemer!
#Nenhumdireitoàmenos


terça-feira, 11 de abril de 2017

Sismus na Greve Geral dia 28/04

O Sismus se juta à Direção Nacional da CUT, que reunida em Brasília, no dia 29 de março, deliberou pela organização da greve geral como ação estratégica da central para derrotar a reforma da previdência, a reforma trabalhista e a terceirização propostas pelo governo ilegítimo de Michel Temer (PMDB). 
Vamos parar o País no dia 28 de abril, mandando mais uma vez nosso recado para a quadrilha que tomou o poder através do golpe e para sua base de parlamentares corruptos no Congresso: NENHUM DIREITO A MENOS! A greve geral será um passo decisivo na luta que continuaremos a travar, sem trégua, para derrotar o governo golpista.
Transformaremos abril num mês de lutas. Sairemos às ruas, como fizemos nos dias 8 e 15 de março, para denunciar e repudiar a reforma da Previdência, que pretende acabar com a previdência pública no Brasil. Sairemos novamente às ruas para denunciar e repudiar a reforma Trabalhista, que rasga a CLT e gera o trabalho precário. Iremos às ruas para repudiar o Projeto de Lei (PL) 4302, recentemente aprovado na Câmara dos Deputados numa manobra do presidente da casa, Rodrigo Maia, que fragiliza a organização sindical e permite a terceirização na atividade fim, condenando os trabalhadores a “viverem de bicos”, sem nenhuma segurança em relação ao trabalho e a direitos básicos, como férias, décimo terceiro, jornada de trabalho, descanso remunerado, horas extras, entre outros direitos fundamentais, conquistados após décadas de lutas.
O Sismus está convocando assembleia no dia 24 de abril, quando iremos deliberar sobre a Greve Geral do dia 28 de abril. Contamos com a adesão de todos os servidores que entendem os prejuízos que as "deformas" propostas pelo governo ilegítimo podem trazer, principalmente para a classe trabalhadora. É hora de tomar as ruas!