terça-feira, 21 de novembro de 2017

Sismus defende servidores de suposto calote de De Paula

A diretoria do Sismus que encaminhou ofício (Saiba mais) aos vereadores responsáveis pela pasta da educação Cilas Moraes (PSB), Cido Polícia (PSB) e Nildão (PPS) para cobrar o julgamento das contas do chefe do Executivo municipal, Carlos de Paula, por descumprimento da Lei Federal que determina que seja destinado 60% das verbas do Fundeb para valorização dos servidores da educação. 

Leia mais:

O sindicato visando defender os interesses dos trabalhadores entende que houve prejuízo aos investimentos que essa verba poderia ter trazido a educação e a iminente falta de valorização dos profissionais da rede municipal de ensino de Sarandi. A reunião foi marcada para a próxima quarta-feira, (29 de novembro) na sede do Legislativo. 

Sismus cobra da administração datas do 13º e salário de janeiro

O Sismus encaminhou nesta terça-feira (21 de novembro) oficio aos secretários de Administração e Educação solicitando que seja informado as datas de pagamento do 13º salário dos servidores públicos municipais e também do mês de janeiro. Confira abaixo, as cópias dos ofícios encaminhados: 



Administração convoca aprovados em concurso

A Prefeitura Municipal de Sarandi convoca os aprovados no Concurso Público Municipal aberto pelo Edital nº 380/2016. Os selecionados devem ocupar respectivamente os cargos de motorista (4 vagas), auxiliar de serviços gerais masculino (9 vagas), auxiliar de serviços gerais masculino destinado a pessoa com deficiência (1 vaga), auxiliar de serviços gerais feminino (45 vagas), professor (4 vagas), educador infantil (2 vagas). Os candidatos devem comparecer a Coordenadoria de Recursos Humanos, nos dias 22, 23, 24, 28 e 29 de novembro das 8h às 11h30 e das 13h às 17h30 de posse dos seguintes documentos:

- Cédula de Identidade (R.G) (original e fotocópia);
- Certificado de reservista (para os profissionais do sexo masculino);
- Título de Eleitor (original e fotocópia);
- Comprovante de voto na última eleição ou justificativa de ausência:
- Cadastro de Pessoa Física (CPF) (original e fotocópia);
- Comprovante de Residência;
- Comprovante de escolaridade exigida (original e fotocópia);
- Certidão de Nascimento ou Casamento ou CPF do cônjuge (original e fotocópia);
- Certidão de nascimento ou CPF dos Filhos (original e fotocópia);
- Duas fotografias 3x4 recentes;
- Atestado de saúde física e mental;
- Certidão negativa criminal e cível da comarca onde reside;
- Carteira de Trabalho e Previdência Social;
- Nº do PIS/PASEP;
- Declaração de Imunização;
- Carteira Nacional de Habilitação - CNH - para os cargos em que é exigida essa titulação (original e fotocópia);
- Declaração de não acúmulo de cargo em serviço público, de acordo com a Constituição Federal;
- Declaração de que não sofreu penalidade de demissão em serviço público, de acordo com a Constituição Fedral;
- Declaração de bens e valores que constituem seu patrimônio;
- Registro no órgão de classe e comprovante de pagamento da última anuidade;

Veja abaixo o edital com os selecionados:








sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Sismus lamenta troca de secretária de Educação

Decreto publicado nesta sexta-feira
nomeia nova secretária de Educação
Foi publicada nesta sexta-feira (17 de novembro) o decreto 433/2017 que nomeia nova secretária para a pasta de Educação do município. A ex-secretária Maria Aparecida Queiroz da Silva alegou que precisa tratar de problemas de saúde, por isso teria pedido para deixar o cargo, no entanto, informações não oficiais contrariam essa versão e revelam que ela teria se desligado por motivos pessoais. O cargo passa ser assumido por Meir Braga La Frazia. Há também rumores de que a nova secretária assuma interinamente até a chegada do professor José Antônio que deverá se aposentar.

Meir Braga La Frazia possui graduação em Letras pela Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Mourão (1991) e especialização em Psicopedagogia pela Universidade Paranaense (1997). É professora há mais de 21 anos, membro da banca de avaliação de redação da UEM. Atualmente atua como diretora do Colégio Estadual Papa João XXIII - Ensino Fundamental e Médio.

A diretoria do Sismus lamenta a mudança por entender que essa troca prejudica as negociações que já estavam em andamento com a administração e paralisam todos os trabalhos que eram realizados até o momento.

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Sismus marca reunião com vereadores para discutir falta de aplicação dos recursos do Fundeb

Nesta quarta-feira (8 de novembro) o Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) emitiu parecer prévio pela irregularidade das contas de 2014 do Município de Sarandi, sob responsabilidade do então prefeito, Carlos Alberto de Paula Júnior (gestão 2013-2016). O motivo foi a falta de utilização de 8,87% dos recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) naquele ano. Com isso, os recursos aplicados pela prefeitura ficaram abaixo dos 95% dos repasses totais do Fundeb naquele ano, situação que contraria a Lei nº 11.494/2007, regulamentadora do fundo.

Outra impropriedade verificada na prestação de contas foi o atraso de 66 dias na entrega dos dados
informatizados relativos ao encerramento do exercício de 2014 ao Sistema de Informações Municipais (SIM-AM) do Tribunal. Segundo análise da Coordenadoria de Fiscalização Municipal (Cofim), a demora não causou danos ao erário, e o item pode ser convertido em ressalva. Foi comprovada também a falta de registro do passivo atuarial do município, no valor de R$ 1.178,824,07 nas contas do sistema contábil referentes ao ano de 2014.

Os recursos do Fundeb que deixaram de ser aplicados em Sarandi naquele ano somam R$ 2.324.518,14, contrariando o artigo 21 da Lei Federal nº 11.494/2007. Em oportunidade de contraditório, o ex-prefeito justificou que, por problemas orçamentários, utilizou dos recursos do fundo para pagamento de parte da folha do Fundeb. Mas o gestor não comprovou a utilização de um saldo superior a 5% no primeiro trimestre do ano seguinte, por meio de créditos adicionais.
O relator do processo, conselheiro Nestor Baptista, concordou com o parecer da Cofim em relação à não aplicação de 8,87% dos recursos do Fundeb em 2014. O atraso de 66 dias na entrega dos dados
informatizados ao SIM-AM foi considerado ressalva.

Os conselheiros acompanharam o voto do relator por unanimidade. Os prazos para recurso passaram a contar a partir do dia 23 de outubro, primeiro dia útil seguinte à publicação do acórdão.
Após o trânsito em julgado do processo, o parecer prévio do TCE-PR será encaminhado à Câmara
Municipal de Sarandi. A legislação determina que cabe aos vereadores o julgamento das contas do chefe do Executivo municipal. Para desconsiderar a decisão do Tribunal expressa no parecer prévio são necessários dois terços dos votos dos parlamentares.

Posição do Sismus

A diretoria do Sismus já marcou reunião com os vereadores responsáveis pela pasta da educação Cilas Moraes (PSB), Cido Polícia (PSB) e Nildão (PPS) para cobrar que as contas sejam julgadas, pois entendemos que houve prejuízo aos investimentos que essa verba poderia ter trazido a educação e a iminente falta de valorização dos profissionais da rede municipal de ensino de Sarandi.  (confira abaixo ofício encaminhado aos vereadores)

Caso semelhante

De Paula também é investigado em outro processo aberto pelo MP (Ministério Público) para apurar o uso de verbas do Fundeb (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) pela Prefeitura de Sarandi. Em 2010, o município teria gasto menos de 60% com a remuneração de profissionais da Educação. O procedimento preparatório foi instaurado na 3ª Promotoria de Justiça de Sarandi, em 14 de outubro de 2016, pelo promotor Ricardo Malek Fredegoto. Em princípio, a promotoria solicitou informações para dar início à investigação.

Os indicadores do Fundeb apontaram que, em 2010, primeiro ano da gestão Carlos De Paula, Sarandi “aplicou valor inferior aos 60% do FUNDEB na remuneração dos profissionais do magistério da educação básica presencial em efetivo exercício na rede pública”.

Com intuito de “colher provas e esclarecimentos”, a promotoria solicitou à prefeitura de Sarandi uma série de informações, dentre os quais, cópias dos documentos referentes às despesas com folha de pagamento. Este item, em específico, não foi fornecido pelo município, que teve prazo de 30 dias a partir de outubro do ano passado. No último dia 22 de fevereiro, “visando instruir auto de inquérito civil”, o MP voltou a cobrar os documentos. A relação de diretores de todas as escolas públicas municipais de Sarandi também foi solicitada. O novo prazo, de 15 dias, se encerrou e até o momento não há informações em que andamento se encontra o processo.

Redação do Sismus
Com informações do Jornal O Diário do Norte do Paraná e Sarandipr.com


terça-feira, 31 de outubro de 2017

Volpato será investigado por comissão processante na Câmara de Sarandi

Foi aprovada na sessão de ontem (segunda-feira, 30), abertura de Comissão Processante (CP) para investigar a gestão Walter Volpato (PSDB). É a primeira derrota do tucano na Câmara. Cinco dos dez vereadores votaram a favor da abertura do inquérito e quatro contra. Os parlamentares devem investigar o aluguel que a prefeitura paga a um prédio pertencente ao atual prefeito.

A sessão esteve lotada, em sua grande maioria por servidores de cargos em comissão, e contou inclusive com forte presença das forças policiais. O vereador Cilas Morais (PSB), na condição de 1º secretário, leu parte das 127 páginas da denúncia. Em seguida, ocorreu a votação.

Mineirinho (PDT), Cido Polícia (PSD), Cilas Morais (PSB), Eliana Trautwen (PC do B) e Erasmo da Saúde (PC do B) votaram pela abertura da CP. Já os votos contrários foram de Dionízio da Diocar (PSB), Nildão (PPS), Gil (PRB) e Nito (PP). O presidente Carlos Roberto Falaschi, o Leão (PDT), não votou.

Saiba mais

A denúncia sobre o aluguel pago a Volpato foi protocolada pelo empresário Admir Machado, o Zinho, na última sexta-feira (27). Ele alertou para o contrato do prédio, que fica na Rua Taí, nº 1.000. Desde 2015, o município paga R$ 5 mil mensais pelo imóvel, que abriga a Secretária de Meio Ambiente. Segundo a denúncia, esta prática vai contra a Lei Orgânica. O contrato de aluguel, aberto em 2015 por dispensa de licitação, ainda na gestão Carlos De Paula Júnior (PP). Volpato, no entanto, afirma que a secretaria já estava instalada no local há 25 anos e que comprou o imóvel há três, antes de ser eleito para o cargo.

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Em alerta; Volpato diz que retirou maldades, mas não dá pra confiar!



Na tarde de ontem, segunda-feira (23 de outubro) dirigentes do Sismus estiveram na Câmara de Vereadores onde aguardavam ser recebidos pelos parlamentares para pedir apoio ao projeto de lei do vale-alimentação. Embora tenha sido retirado de pauta por causa da mobilização do sindicato e do impacto negativo devido a série de maldades anexadas ao PL pela administração, os servidores (em assembleia no último dia 10 de outubro) deliberaram por manter o diálogo com os vereadores.

De todos os vereadores, apenas Carlos Roberto Falaschi (PDT) e Eliane Trautwein (PC do B) compareceram à reunião com os dirigentes. Na ocasião, o presidente do Legislativo, disse que se encontrou com o prefeito Walter Volpato (PSDB) e defendeu a proposta do vale-alimentação sem as maldades promovidas pela administração.

Já durante a sessão, Falaschi se pronunciou reforçando a sua fala na reunião. Quem também subiu à Tribuna, foi Volpato; ele afirmou que retirou o projeto, "porque estava naquele momento tirando alguns benefícios do servidor".  O prefeito disse ainda que "a partir de janeiro, todo servidor vai receber R$ 155,00 só os que não quererem trabalhar não vão pegar o vale", concluiu.

Contudo, sabemos que não podemos acreditar no que Volpato diz, portanto, estamos em vigília e em alerta, assim que o projeto chegar à Câmara de Vereadores vamos analisar a proposta para saber se nenhuma outra maldade foi incluída ao projeto.

Dirigentes do Sismus em reunião com Carlos Roberto Falaschi (PDT) e Eliane Trautwein (PC do B)

Servidores acompanhando a sessão do Legislativo

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Dia 23 todos os servidores na Câmara

Conforme o Sismus informou nesta semana, a administração retirou o projeto de maldades no vale-alimentação devido a repercussão negativa e a pressão de dirigentes do sindicato. Conseguimos agendar reunião com todos os vereadores na próxima segunda-feira (23), antes da sessão na Câmara.

Não sabemos ainda se o projeto estará na pauta, mas é importante que os servidores compareçam para saber o resultado da reunião com os vereadores e acompanhar a sessão caso o projeto entre em pauta. Não podemos ter nenhuma confiança na administração!




quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Assembleia para prestação de contas

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Sarandi (Sismus), em conformidade com o Estatuto da Entidade convoca todos os servidores a participarem da Assembleia Ordinária que será realizada na terça-feira, 24 de outubro de 2017, na Câmara de Vereadores da cidade.

A primeira convocação está marcada para às 17h45. Em caso de insuficiência de quórum, de acordo com as regras estatutárias, a assembleia será instalada às 18h com qualquer número de servidores.

Na pauta da assembleia, os dirigentes do Sismus vão apresentar a prestação de contas dos exercícios de 2015 e 2016.

A Câmara Municipal de Vereadores de Sarandi está localizada na Avenida Maringá, 660.


terça-feira, 17 de outubro de 2017

Projeto da maldade; novo ataque de Volpato ao vale-alimentação


Na última terça-feira, (10 de outubro), os servidores municipais de Sarandi se reuniram em assembleia pra deliberar sobre a reviravolta no vale-alimentação, a insalubridade e periculosidade, 30h para alguns servidores da Secretaria de Saúde e revisão do Plano de Carreira dos servidores gerais e da educação.

Em reunião no dia 28 de setembro, o prefeito Walter Volpato (PSDB) anunciou nova alteração na proposta do vale-alimentação. Depois de ter mudado de ideia e dizer que vai conceder o benefício a todos os servidores independente da faixa salarial, no começo de janeiro (contrariando o que ele mesmo tinha acordado com o sindicato), o prefeito sem comunicar o Sismus, legítimo representante dos trabalhadores, simplesmente decidiu que não vai mais optar pelo cartão magnético. Agora o valor de R$ 155,00 (valor acrescido da inflação deste ano), será depositado na conta de cada servidor, em data diferente do salário. Isso mostra que Volpato, não tem palavra e muito menos diálogo com a categoria.

Só que a surpresa foi ainda maior quando a diretoria do Sismus teve acesso ao projeto de lei enviado à Câmara Municipal e Vereadores no qual constava uma série de condições para que o servidor não perca seu benefício. Por exemplo, caso o trabalhador entre de férias, licença para tratamento de saúde, licença maternidade ou por motivo de doença na família, ele ficaria sem o vale-alimentação. Um absurdo que não podemos e não vamos aceitar.

Diante de mais essa afronta, os servidores por unanimidade deliberaram por aceitar o projeto, só se for aprovada emenda que retire tais condições e que especifique que o servidor só perderá a cesta por falta injustificada. Nesta terça-feira (17 de outubro), os dirigentes já começaram a articular com os vereadores municipais para corrigir esta injustiça. Além disso, o presidente do Sismus, Nilson do Nascimento também protocolou (Veja aqui o ofício) pedido de reunião com Volpato para tratar do assunto.*

Outras pautas

Na reunião do dia 28 de setembro outras pautas também foram tratadas e as respostas da administração foram apresentadas aos trabalhadores:

  • aferição dos laudos de insalubridade e periculosidade que não estão sendo feitos. A resposta da administração é que em 2018, (sem uma previsão concreta), será contratada uma empresa para refazer os laudos. 
  • 30h para alguns setores da saúde, a administração continua irredutível e disse que não pode fazer a mudança na carga horária. 
  • Revisão do Plano de Carreira, também houve o compromisso de a administração contratar uma empresa para no ano que vem, proceder com a revisão.

Clique aqui para acessar o Projeto de Lei do Vale-alimentação


* A diretoria do Sismus foi informada de que na sexta-feira (17), o prefeito retirou da Câmara o projeto, e ao que tudo indica pode haver mudanças. Vamos continuar em mobilização! Atualizado às 16h45.



sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Agressões a professores; uma triste realidade!

O Sismus presta solidariedade as professoras que foram agredidas esta semana em Maringá (Saiba mais sobre o caso: SISMMAR repudia agressão a duas educadoras da rede municipal). Infelizmente em Sarandi, já houve casos em que profissionais de escolas e CMEIs também foram vítimas de violência verbal ou física. Nossa entidade, se coloca à disposição dos servidores que passarem por situações como esta.

Um ambiente de ensino deve ser espaço de interação, criatividade, desenvolvimento social e aprendizado, a partir do momento em que a violência passa a ser um fantasma em meio as rotinas educativas, o trabalho do professor fica prejudicado, além das cicatrizes emocionais. Assim como o pedagogo Paulo Freire, bem disse, "a humildade exprime uma das raras certezas de que estou certo: a de que ninguém é superior a ninguém", portanto, é importante que pais e professores tenham no diálogo uma forma de solucionar conflitos.

Secretária de Saúde expõe servidores à intoxicação depois de dedetização

No último dia 3 de outubro, terça-feira, a UBS do Jardim Bela Vista passou por serviço de dedetização. O local foi fechado e no dia seguinte, os servidores chegaram para trabalhar e inalaram inseticida que havia sido espalhado no ambiente. Depois disso, muitos trabalhadores passaram mal, alguns tiveram enjoos e houve casos mais sérios de pessoas que precisaram passar por atendimento médico.

O Sismus representado pelo seu presidente, Nilson do Nascimento esteve na UBS, conversou com os servidores e com a enfermeira responsável pelo posto, que informou inclusive que havia pedido para que o serviço fosse feito na sexta-feira, no fim da tarde. Dessa forma, o local seria aberto no sábado e não haveria risco de intoxicação para servidores, além de condições de limpeza, após a remoção de insetos mortos.

Mas o pedido da enfermeira chefe esbarrou na intransigência da secretária de Saúde Maria Regina Jacovós, que autorizou a dedetização na terça-feira. Diante desse fato, o presidente do Sismus protocolou oficio na Secretaria de Saúde cobrando explicações e criticando a falta de cuidado e precaução na realização do serviço de dedetização. No ofício, o sindicato exige ainda que o caso seja registrado como acidente de trabalho para garantir todos os direitos dos servidores.