terça-feira, 27 de janeiro de 2015

PISO OU TETO?


SINDICATO DISCUTE A INTEGRALIDADE DO PISO SALARIAL NACIONAL DO MAGISTÉRIO


    Sindicato dos Servidores Públicos Municipal de Sarandi –SISMUS esteve  na manhã do dia 20 (Terça-feira)participando da sessão extarordinária na câmara de vereadores, onde os nobres edis aprovavam um índice de reajuste salarial ao magistério de 6,23% que é inferiror ao determinado pela lei, 13,01%,  em seguida com membros da Diretoria Sindical, representantes dos professores e Prefeito Carlos Alberto de Paula realizamos uma reunião para discutir sobre  cumprimento da integralidade do Piso Salarial Nacional do Magistério a partir do mês de Janeiro, necessário frisar que a integralidade do cumprimento da Lei 11.738/2008  significa a aplicação dos índices de reajustes e o cumprimento da Hora Atividade de 33% que ainda é desrespeitado em nosso município, gerando uma ação judicial por parte do SISMUS contra a Prefeitura requerendo esse direito.
No dia 6 de Janeiro  o Ministério da Educação (MEC) divulgou oficialmente o Piso do Magistério de 2015 segundo a lei 11.738/2008 (art. 2º), que estabeleceu o Piso Salarial Profissional Nacional para os profissionais do magistério público da Educação Básica, na composição da jornada de trabalho de 40 horas no valor de R$ 1917,78  para professores com formação de nível médio ou normal superior. O indicador que serve de referência para o reajuste é o chamado  “valor mínimo nacional por aluno”, referente aos anos iniciais do ensino fundamental urbano do FUNDEB dos dois últimos anos. O percentual de reajuste é de 13,01%.
O Presidente Nilson do Nascimento explicou ao Chefe do Executivo que esse percentual tem como premissa a valorização dos salários dos profissionais do magistério, não só em consideração o professor no nível MA (somente magistério), mas em todos os níveis de formação, uma vez que a criação da Lei 11.738/2008 quer equiparar o salário de um professor graduado ao mesmo patamar que outras funções com o mesmo nível de formação (psicólogos, advogados...), ouve a recusa  do Prefeito em aplicar o índice  á todos os professores e somente equiparar o salário de quem estivesse fora do Piso.
IMPLICAÇÃO DA  NÃO VALORIZAÇÃO DO QUADRO DE PROFESSORES
A negativa e a recusa em aplicar esse índice aos profissionais do magistério faz com que os salários dos professores que trabalham no município há mais tempo, fique próximo ao salário dos recém-concursados, gerando assim um achatamento substancial na remuneração, uma vez que o Plano de Carreira do Magistério não á atualizado, tabela de remuneração defasada, professores deixando a cidade, gerando alta rotatividade no quadro da educação. Os números mostrados pela Secretaria do Planejamento ao SISMUS  frisando que a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal) já chega á casa do 49%, não impede que a todo momento estejamos abrindo os jornais e vergonhosamente esteja estampado criação de cargos com salários e gratificações á todo tipo de atribuições irrelevantes. Todos esses desmandos chega á ser Imoral perante a classe de Docentes da cidade que Luta constantemente com dignidade para transformar os pequenos sarandienses em Agentes Transformadores de Sociedade. Sarandi NÃO PODE mais caminhar na contramão da Nação Brasileira “ Uma Pátria Educadora valoriza seus Educadores” a falta de comprometimento do Prefeito de Sarandi  Carlos de Paula com os Profissionais da Educação se expressa mais uma vez na recusa em pagar os 13,01% do Piso a todos os professores da rede.
Mas não ficará sem resposta, o SISMUS PREPARA A CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIA GERAL DA EDUCAÇÃO PARA 1° SEMANA DE AULA, temos certeza que a classe saberá lutar por seus direitos.
Nenhum direito a menos!

Professores  protestam na Câmara Municipal
Vereadores aprovam reajuste inferir aos professores