terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Sismus combate tentativa de terceirização no serviço público de Sarandi

Na tarde de ontem, (segunda-feira, 13) o presidente da Câmara Municipal de Sarandi Carlos Roberto Falaschi, o Leão, (PDT) retirou de pauta, requerimento 014/2017 que solicitava ao município que estude a possibilidade de terceirização de alguns serviços públicos como a poda de árvores, varrição e zeladoria, após intervenção do presidente do Sismus, Nilson da Luz do Nascimento.

De acordo com Leão a iniciativa visa "aliviar ao índice da folha de pagamento, e estar resolvendo de imediato vários problemas relacionados à prestação de serviços pelo Município". Entendemos que uma vez iniciado o processo de terceirização, demais serviços podem ser entregues a iniciativa privada que não tem compromisso com a cidade e pode ainda provocar a perda de postos de trabalho de moradores de Sarandi.
 
Assim que tomou conhecimento da matéria, a direção do sindicato emitiu nota de repúdio a intenção de privatizar serviços públicos na cidade.  Confira abaixo o inteiro teor do documento encaminhado ao presidente da Casa.

NOTA DA DIREÇÃO DO SISMUS EM REPÚDIO AO REQUERIMENTO N° 014 DO PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL

A diretoria do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Sarandi-SISMUS tomou conhecimento do requerimento do n° 014/2017 do edil Carlos Roberto Falaschi “Leão” solicitando ao Prefeito que “estude a possibilidade do Município estar fazendo terceirização de alguns serviços públicos, de forma a aliviar o índice da folha de pagamento, e estar resolvendo de imediato vários problemas relacionados à prestação de serviços pelo Município”.

Senhor vereador e presidente da Câmara Municipal, a direção desta entidade DISCORDA e mais que isso, REPUDIA, a proposta sugerida pelo senhor ao Prefeito do Município.

A terceirização não contribui para o “alívio” da folha de pagamento, pois os gastos com despesas de terceirizados também são computados para formação do índice de folha e nos casos de privatizações, como da coleta e destinação do “lixo” (privatizado em nosso município) esses serviços podem sair ainda mais caros a população e aos cofres públicos, pois além dos custos pagamos também pelo lucro da empresa.

Em Maringá, inclusive o prefeito recém empossado, já anunciou o fim da terceirização da coleta e a retomada do serviço pelo município.

A terceirização ainda, traz outros graves malefícios ao serviço público e aos servidores públicos como o aumento do preconceito entre os trabalhadores, baixos salários aos trabalhadores terceirizados com impactos sobre a isonomia salarial, diferenças entre benefícios de efetivos e terceirizados e o enfraquecimento da representatividade sindical dos trabalhadores do serviço público.

Nessas condições, nos colocamos contra qualquer iniciativa de terceirização e privatização do serviço público municipal em Sarandi, seja na limpeza, vigilância, transporte ou em qualquer outra área.
Para nós a melhoria do serviço público municipal passa pela realização de novos Concursos, Valorização Salarial e de Carreira dos Servidores e de Condições Adequadas de Trabalho.

Por fim solicitamos que o senhor retire de votação o requerimento n° 014/2017 e que possamos agendar uma reunião com o senhor e com os demais edis para tratar da pauta de reivindicações dos servidores municipais.

DIREÇÃO DO SISMUS