terça-feira, 8 de agosto de 2017

Exoneração de secretária escancara problemas no Paim

Recentemente a secretária de Assistência Social de Sarandi foi exonerada do cargo. Em entrevista ao Blogueiro sarandiense Marcos Mochi, Josemara Belloso Seranini, afirmou que sua saída foi motivada pelas constantes reclamações ao prefeito das condições estruturais do Programa de Acolhimento Institucional Municipal (Paim) que recebe crianças em situação de vulnerabilidade social e principalmente sobre a falta de funcionários no local.

No vídeo, a ex-secretária explicou que o trabalho no Paim estava "redondinho", mas com a chegada de seis menores, num espaço onde já haviam outros nove a situação ficou insustentável pela dificuldade de conter as crianças. Josemara mostrou vários ofícios em que solicitava ao prefeito Walter Volpato, a contratação de funcionários. Segundo ela, cópias desses documentos também foram enviadas ao juiz da Vara da Infância e da Juventude. Apesar disso, a atitude do prefeito sempre foi de descaso com a situação, chegando a dizer, inclusive que não queria problemas em seu gabinete.

O Sismus também recebeu reclamações de funcionários que estão cansados e estressados, inclusive a assistente social está afastada por licença médica e se recusa a voltar para o local de trabalho. Após o pedido de exoneração da diretora do abrigo, a Guarda Civil está fazendo proteção dos funcionários.

Na manhã desta terça-feira (8 de agosto) o presidente do sindicato, Nilson do Nascimento e mais seis
funcionários do Paim, estiveram em reunião com a procuradora geral do município. Nesse encontro, os educadores apontaram os problemas enfrentados cotidianamente no abrigo e expuseram a ausência de projeto político pedagógico e falta de disciplinas educativas para aplicar aos menores, além da falta de servidores e das jornadas estressantes de trabalho.

Segundo a procuradora não há perspectiva de contratação de funcionários, e a prefeitura não descarta a possibilidade de conceder a administração do Paim a uma organização social. Por fim, ficou agendada nova reunião para semana que vem entre sindicato, funcionários, educadores e a procuradoria com convite ao secretário de administração.

O Sismus esclarece, no entanto, que é contrário a entrega da administração do Paim a uma organização social. Nossa defesa é pela contratação de novos educadores e investimento na formação profissional e psicológica permanente da equipe que lá trabalha e na estrutura física do abrigo. Criando assim, um ambiente que permita a criança um convívio de acolhimento, sadio e ressocializador.

*Ratificação: ao contrário do que foi postado, a psicopedagoga do Paim, não está de licença, mas em férias e deve retornar ao trabalho, após o gozo do período. O sindicato se desculpa pela informação equivocada. (Alterado em 10 de agosto, às 12h33).