terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

A precarização do serviço dos ACEs

Não é de hoje, a atividade dos Agentes de Combate a Endemias (ACE) está precária em Sarandi. Em reunião com a categoria, no último dia 8 de fevereiro, o presidente do Sismus, Nilson do Nascimento foi informado da situação calamitosa que estes servidores enfrentam.

Ao todo, existem aproximadamente, 50 servidores que atendem todas as regiões de Sarandi divididos em cinco equipes. Cada equipe registra o ponto biométrico em locais diferentes, mas nessas unidades  são proibidos de acessar as dependências do prédio para qualquer atividade – seja para usar o banheiro, comer ou simplesmente fazer o relatório de atividades e até mesmo, pasme, ir ao relógio biométrico.

A categoria também sofre com a falta de transporte para levá-los aos bairros em que devem fazer as vistorias. Como se não bastasse, eles ainda precisam se alimentar, no lugar onde estão, sem ter ao menos onde esquentar a comida e ainda pior, sem um local adequado ao descanso. Os servidores trabalham há tempos sem EPIs (protetor solar, luvas, botas, uniforme) e até sem crachá de identificação, um absurdo!

Essa situação não é desconhecida da administração. O prefeito Walter Volpato (PSDB) foi informado dos problemas, em reunião com a direção do sindicato, no último dia 9 de fevereiro, na ocasião, prometeu apenas que irá acompanhar o caso junto a Secretária de Saúde, o que não resolve a calamidade dos servidores. É necessário e urgente mais compromisso e dedicação para que os trabalhadores tenham sua dignidade respeitada e seu direito a condições de trabalho garantidas.

O Sismus já está agindo para defender o direito dos trabalhadores e já agendou uma reunião com a secretária de Saúde, na manhã da próxima segunda-feira, 26 de fevereiro. Não vamos aceitar que essa situação se prolongue, servidor merece valorização e respeito, afinal, é ele quem executa as políticas públicas que afetam a vida da população. Chega de descaso!

Veja abaixo, o ofício encaminhado pelo Sismus: